sábado, 6 de abril de 2013

Mais de 50% dos domicílios da Grande Florianópolis possuem TV Digital

O Instituto de Pesquisas Síntese divulgou nesta semana, em uma pesquisa realizada no mês de março, que 53% dos domicílios da Grande Florianópolis têm acesso ao sinal digital aberto através dos televisores. É um crescimento de 43% em comparação com a pequisa feita em julho do ano passado.

O instituto entrevistou 500 telespectadores nos muinicípios de Florianópolis, São José, Biguaçu e Palhoça durante os dias 22, 23 e 24 de março de 2013. Os dados foram dilvulgados pelo Portal RICMais.

Nota e opinião do editor

A pesquisa realizada pelo Instituto Síntese revela um avanço neste sistema de transmissão de áudio e vídeo, que vai substituir a TV analógica (o governo brasileiro mantém o prazo para o desligamento total para 30 de junho de 2016), mas não mostra, por exemplo, quantas destas 265 pessoas assistem, de fato, ao sistema de televisão digital terrestre do Brasil. 

Ainda há muita falta de informação sobre esta tecnologia (que em SulBRTV é o assunto mais procurado) por parte dos telespectadores, das vantagens, de como captar, etc. Muitos pensam que é pago, que tem que instalar uma antena diferente (sendo que uma antena comum, até aquelas em formato de "V", é possível obter o sinal) ou acham que o simples fato de ter uma TV moderna (sem a configuraçao correta), já estão assistindo à programação "em alta definição". 

Arrisco a dizer que, entre as 265 pessoas que tem TV com tecnologia compatível, menos de 100 assistem de maneira correta à programação oferecida pela RBS TV, RICTV Record, Record News SC, Rede Vida e TV UFSC (em testes), emissoras que são possíveis de serem sintonizadas na Grande Florianópolis. 

Para as emissoras, ter sinal digital aberto disponível é apenas uma questão de status. Não gera mais receita para elas, e sim, mais gastos (pessoal, transmissores, etc.). É necessária uma campanha mais incisiva, forte e altamente didática sobre como aproveitar o Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre e aberto, principalmente nas camadas menos favorecidas, que consegue crédito para financiar uma TV LED, por exemplo, mas não que não podem pagar uma mensalidade de televisão por assinatura. Porém é valido escrever que o não aproveitamento da tecnologia de maneira correta está presente em todas as camadas sociais (que inclusive paga caro para adquirir um pacote de canais em HD, mas não assiste a eles "100%") . 

A grande maioria das lojas do setor, que deveriam dar exemplo, não apresentam o produto configurado da maneira correta. Um institucional promovido em 2012 pela RPC TV, afiliada TV Globo no Paraná, foi o que mais bem representou, e de maneira prática, como usufruir esta tecnologia (Clique aqui e assista ao vídeo). Mais campanhas deste tipo deveriam ser promovidas por todas as emissoras que transmitem o sinal digital.

Compartilhe:

3 comentários:

Vini.cius disse...

Essa questão da tv digital ainda é muito "bagunçada", principalmente a nomenclatura da tecnologia (o que significa 1080i, SBTVD e outros). Além disso, o que é a tv digital? Apenas melhor qualidade de imagem e som? Isso eu já tenho e não preciso de uma tv digital. Quando a transmissão digital foi apresentada foi comentado que seria possível transmitir até quatro programas ao mesmo tempo, mas acho que isso não deu em nada. Outro fator, é a baixa cobertura do sinal da tv digital. Poucas pessoas vão trocar de tv só para assistir a um canal digital, além disso, muitas cidades sequer têm algum canal digital.

Anônimo disse...

acho uma amostragem de pesquisa muito pequena representa apenas 5% da população da grande florianopolis!!!!!

Allan disse...

Hoje saiu uma notícia de que o Ministério das Comunicações adiou o desligamento da TV analógica no Brasil, que seria em 2016, para o ano de 2018. Acho que poderia ser um post bem interessante para esse ótimo blog que fala sobre TV digital no sul do Brasil.